O blogger é atualizado de acordo com as batidas do meu coração. É um prazer tê-los comigo.

domingo, 13 de março de 2011

Cíúmes


Ciúme é um tema recorrente nos relacionamentos desde os primórdios da humanidade, tendo destaque entre filósofos de todos os séculos, e continua existindo “atavicamente” e sem nenhum tipo de evolução, que não a teórica, em pleno século XXI.
 Na peça Otelo, de Shakespeare, há a clássica fala de Iago:
“Oh, tende cuidado com o ciúme. É um monstro de olhos verdes, que zomba da carne de que se alimenta".
 Seria ele inerente aos seres humanos, desde a época em que os homens da caverna faziam uso desse sentimento para proteger sua tribo?  Se assim fosse, carregaríamos um sentimento instintivo, remanescente de um período humano praticamente irracional. Revendo... Se racionalidade não é lá o grande destaque em relacionamentos amorosos, pelo menos é preciso um esforço coordenado nesse sentido. Porque destruir a possibilidade de relações saudáveis, chegando ao cúmulo de destruir vidas em nome do ciúme, é inadmissível.

Hoje pela primeira vez tive ciúmes dos olhos do meu primo”. 
Porque eles viram-te e eu não te vi”. 

Confesso-me totalmente parcial quando se trata de Fernando Pessoa, mas essa doçura com que ele se refere ao ciúme está valendo... Sentimento gostoso destinado a quem se quer sempre ao lado para dividir a vida. Ciúme dos olhos que a olham, dos sorrisos que lhe dirigem, das mãos que lhe estendem. Existe esse ciúme que é cuidado e não posse (mas eu tinha vontade de arrumar outro nome para esse sentimento que não ciúme, poderia mesmo ser “cuidado”). 

Dizem que sentimentos irracionais fazem sentido quando entendemos o que está por trás deles. O que vemos por trás do ciúme nos relacionamentos amorosos é o medo, real ou irreal, vergonha de se perder o amor da pessoa amada, falta de confiança no outro e/ou em si mesmo. Esses sentimentos podem estar embasados em alguma coisa real, como já ter sido traído por exemplo. 
Mas racionalmente, nada justifica esse sentimento. Pois senti-lo, não modifica os fatos - se tiver que ser traído, será, se tiver que ser abandonado, será, se tiver que ser trocado pelo seu melhor amigo, será. Sentir ciúme não tem utilidade nenhuma. Não ajuda, não previne, não defende, e, quando é exagerado, pode tornar-se patológico e transformar-se em uma obsessão.
Eu fui muito ciumenta, hoje sou bem menos, ainda sim, não me conformo em sê-lo, pelo simples fato de eu ser tão consciente acerca da total incoerência desse sentimento. É a irracionalidade do amor.

Diz Rubem Alves que "O ciúme é aquela dor que dá quando percebemos que a pessoa amada pode ser feliz sem a gente".

Enfim, ciúme resume-se em desejar a posse absoluta do outro. Não basta se saber amado. Busca-se a garantia ilusória de que aquela pessoa nasceu a partir do momento em que te conheceu - não tem passado para recordar, e nem futuro para almejar, que não a sentença de viver com você e para você. 

Como a vida nunca nos dá garantia, tudo isso é absolutamente em vão. 

4 comentários:

Anônimo disse...

Que apanhado espetacular que vc fez sobre o ciúme. Que certeza nos passou na inutilidade desde. Parabéns

Arione Torres disse...

Olá amiga linda, obrigada pelo carinho que tem tido comigo. Você é mesmo uma amiga muito especial que eu tive o prazer de conhecer. Agradeço a Deus pela sua amizade. E que você tenha uma linda semana. E que Deus realize todos os seus sonhos. Bjus...Fica com Deus.

Marcela disse...

Oi Arione! Obrigada pelas palavras, vc é especial tb.
O AnônImo, obrigada pelo elogio. BJOS

Anônimo disse...

Minha amiga...vc fala em racionalidade, sentimento racional, desejos de posse etc...Desde qdo o amor é racional? Se for amor, não é. E o problema do ciúmes não é o sentimento em si, é a intensidade, a doença. Aí sim, vira um problema, não querer dividir o amor com ninguém, é egoista, sempre. É preciso aprender a controlar essa fera dentro de cada um...e viver o lado bom do amor..

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...