O blogger é atualizado de acordo com as batidas do meu coração. É um prazer tê-los comigo.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

"PRIMEIRO A GENTE FOGE, DEPOIS A GENTE VÊ"


Eu percebo o mundo através das pessoas e das palavras, preferencialmente pessoas e palavras que sejam desconcertantes, pois é essa imprecisão que me fascina.
Cada vez sei um pouco menos, e quanto menos sei, mais busco e quanto mais busco menos certezas me permito. Essa falta de completude me move. Agarro-me ao conhecimento com todos os meus sentidos. Sou obcecada por tudo aquilo que colabora para que eu me torne maior que eu. Minha vida voltou-se muito para o universo dos relacionamentos. E me surpreendo do quanto esse oceano é como o próprio oceano: incerto e sedutor. Uma forma de tormenta. Que tem pressa.

Geralmente a capacidade de racionalizar é proporcionalmente inversa às delícias de se apaixonar. Não vai aqui nenhum juízo de valor. Até mesmo porque a probabilidade de não sofrer é maior para quem usa o bom senso e a crítica para guiar a expressão emocional. Os menos racionais atiram-se, tropeçam, caem, machucam, mas em compensação... Recebem mais, amam mais e até sonham menos porque se permitem experimentar mais (entenda-se esse experimentar como se aventurar por terras que de fato ofereçam um algo mais).
No amor, quem se guia só pela razão, um dia vai sair em busca do que ninguém poderá devolvê-lo – o tempo que ficou congelado, as emoções não vividas, as luas que não foram olhadas, os abraços que não foram trocados, porque estava pesando e medindo sensações e desejos, com o que lhe era conveniente - por medo ou crença.
 “É assim, o tempo: devora tudo pelas beiradinhas, roendo, corroendo, recortando e consumindo. E nada nem ninguém lhe escapará, a não ser que faça dele seu bicho de estimação”.
 O maior risco da paixão é tornar-se amor. Um amor não programado. Mas investir ou não nesse amor é uma escolha que será feita depois de, pelo menos, sentir o gosto da paixão. É como cantam popularmente por aí:
 
“Se você quer saber o que vai acontecer
Primeiro a gente foge
Depois a gente vê”.

Depois de “fugir”, é hora de pesar e medir - Vale à pena investir? É essa pessoa que quero para minha vida? Serei feliz convivendo com seu temperamento, suas posturas, seus valores? A razão redireciona e modifica a expressão das emoções. Não sei se isso engessa a espontaneidade, talvez sim. Mas nesse momento, isso já não importará mais.
 Prazer e satisfação são sensações agradáveis, mas tirando essa similaridade, há grande distinção entres esses conceitos – um é só um momento, o outro é uma escolha. Mas para escolher, é preciso se permitir o momento. As emoções são mais rápidas que a razão.
 É preciso manter a emoção enquanto ainda se é platéia. Nessa hora é preciso pagar para assistir o primeiro ato. Não sei se é uma escolha inteligente, aliás, nem é uma escolha, é quase um instinto, o ato que leva a subir ao palco.
No momento seguinte é hora de lançar mão da razão. E a partir daí decidir com consciência, se continua ou sai de cena, arcando com todas as dores que isso pode causar. A mesma coragem que é preciso ter para se lançar é preciso ter para se retirar.
Só acho que ninguém deveria se retirar sem antes se lançar. O tempo não perdoa... Melhor o ferimento e suas recordações cheias de vida, do que o vazio repleto da pergunta -“como poderia ter sido”?

6 comentários:

Refúgio de Palavras disse...

Lindo! (Ah...isso foi pra mim???)rsrs Beijos!♥

Anônimo disse...

Isso aí garota, isso aí, falou e disse tudo. O medo de sofrer por amor é uma prova de que o amor não existe e não resiste ao tempo. Amor ou paixão, não importa, devem ser vividas totalmente. Que se dane a razão nessas horas, não serve pra nada, não soma, só diminue o ser humano. Só os loucos e apaixonados construiram o mundo....o resto ficou pensando como ia fazer....bjs

Marcela disse...

Oi Lu!!! Acho que isso é para a maioria, incluindo euzinha...rs

Marcela disse...

Pois é Anônimo, vamos vivendo e conhecendo novos caminhos e possibilidades. É muito bom não estarmos "prontos". Bjos

Dalva Eline A. Santos Silva disse...

Marcela é profunda a sua mensagem, linda! Realmente o medo atrapalha e com certeza, existem momentos que precisamos escolher, sair ou ficar no palco. Bjs.

Marcela disse...

Pois é Dalva, ninguém escapa dessa escolha. bJOS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...